Disco cheio sem motivo aparente

Hoje a tarde liguei meu computador e recebi a mensagem de que minha partição home estava totalmente cheia. Achei muito estranho porque até o último desligamento eu tinha mais de 100 GB livre.

Investigando o problema encontrei um arquivo de log(.xsession-errors) ocupando todo o espaço livre do disco. Analisando o conteúdo do arquivo pude ver a seguinte mensagem sendo repetida inúmeras vezes:

(nautilus:1882): GConf-CRITICAL **: gconf_value_free: assertion `value != NULL' failed

Procurando pelo erro cheguei até uma postagem no fórum do Ubuntu onde encontrei o motivo e a solução para tal problema. O problema é um bug no programa ubuntuone-client-gnome e a solução paliativa é simples.

Abra o terminal indo no menu “Aplicativos -> Acessórios -> Terminal” e digite o seguinte comando:

gconftool-2 --type bool --set '/apps/ubuntuone/nautilus/show-location' false

Encerre a sessão atual e faça login novamente que o problema será sanado. Caso ainda tenha o arquivo gigante no seu computador, o mesmo pode ser apagado com o seguinte comando:

rm ~/.xsession-errors

Comissão de Ciência e Tecnologia aprova PL de padrões abertos

Não sou de postar conteúdos vindos de fontes políticas específicas, mas esta é importante.

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados aprovou, na manhã desta quarta-feira (24/11), o Projeto de Lei (PL) 3070/2008, de autoria de Paulo Teixeira, que faz com que órgãos e entidades do governo brasileiro utilizem formatos abertos de arquivos para criar, armazenar e disponibilizar seus documentos.

Na prática, o PL garante a universalização do acesso aos documentos públicos, pois estes, quando disponibilizados em formato aberto — em especial, o ODF, Open Document Format –, podem ser lidos por qualquer editor de texto.  Ao contrário, quando os documentos se apresentam em formatos proprietários (como, por exemplo, .doc e .rtf), só se conseguem acessá-los plenamente quando se usam programas que são de propriedade de empresas específicas. Além de ter de comprar estes programas, os usuários e as administrações públicas tornam-se reféns dessas empresas, uma vez que o formato dos documentos é de propriedade delas.

O Projeto de Lei de Paulo Teixeira foi aprovado juntamente com o PL 2269/1999, ao qual estava apensado. De autoria do deputado Walter Pinheiro (PT-BA), ele obriga os órgãos da administração publica a utilizarem softwares livres, o que pode gerar, além de outros benefícios, grande economia para o governo brasileiro, que passa a gastar cada vez menos com licenças de software.

Esta é, sem dúvida alguma, uma grande vitória da militância dos movimentos de software livre e de padrões abertos.

Fonte: Deputado Federal Paulo Teixeira

Erro de certificado do MSN no Pidgin

Nos últimos dias o Pidgin passou a apresentar um erro de certificado e raramente se conectava ao protocolo MSN. O problema, logicamente, está diretamente relacionado a mudanças no protocolo feitas pelo desenvolvedor que neste caso é a Microsoft.

Para resolvermos este problema feche o pidgin e execute o comando abaixo no terminal:

wget http://claudio-novais.info/ubuntuedFiles/omega.contacts.msn.com -O "omega.contacts.msn.com" && mkdir -p ~/.purple/certificates/x509/tls_peers && mv omega.contacts.msn.com ~/.purple/certificates/x509/tls_peers

Depois disto é só abrir o pidgin e o problema estará resolvido. Infelizmente esta solução não é permanente e você poderá ter que usá-la mais de uma vez.

O comando foi retirado do blog Ubuntued

Papel de parede animado

Artigo válido apenas para a versão 10.10(Maverick Meerkat).

Quem já usou o Android, eu ainda não tive este privilégio, deve ter visto um ou mais papéis de parede animados na área de trabalho. Para quem utiliza Ubuntu isto também é possível, veja como.

Usando o Compiz, o usuário conhecido como ilap criou algo muito parecido com o papel de parede do Android para o Ubuntu 10.10.

Para instalar este papel de parede tenha certeza de que o compiz esteja rodando e instale o aplicativo “Compiz settings manager”. Para isto abra a “Central de programas do Ubuntu”.

Na Central de programas procure por compiz e clique em instalar na segunda opção como na tela abaixo:

Agora abra o terminal, apenas para sermos mais diretos e rápidos para adicionar um novo repositório e instalar os pacotes necessários. Para abrir o terminal Vá no menu Aplicativos => Acessórios => Terminal.

Digite os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:ilap/lwp
sudo apt-get update && sudo apt-get install compiz-plugins-livewallpapers

Depois do processo finalizado, clique com o botão direito do mouse na sua Área de trabalho e  escolha “Alterar plano de Fundo”. Digite o caminho “/usr/share/backgrounds/” e selecione o arquivo “Space_b_ilap.jpg”.

Abra o Gerenciador de configurações do compiz que está localizado no menu Sistema => Preferências => Gerenciador de configurações do CompizConfig e no lado esquerdo clique em Live Wallpapers e marque a opção “Galaxy Live Wallpaper” do lado direito.

Feito isto, pressione as teclas Super(Windows)+F4 e você terá o efeito mostrado no vídeo abaixo:

Suporte remoto

Ainda em tempo, quero agradecer ao Tiago Rocha que me deu a dica da conexão reversa pela lista de discussão do Ubuntu-BR.

Em meu trabalho necessito dar suporte a usuários Windows e o software utilizado nas estações é o VNC. Não detalharei o procedimento de instalação do VNC no Windows, mas acredito que não seja necessário.

Você deve estar se perguntando qual é o motivo de existir um artigo para falar de conexão remota usando VNC entre Windows e Linux, afinal, se não existe nenhum segredo nisto?

Pense que cada cliente tem um endereço IP, um modem ADSL ou até uma conexão a rádio. Cada usuário teria que fazer as devidas configurações para ter as portas do VNC direcionadas para seus computadores. E se atras de um modem tiver 10 computadores? Direcionar uma porta diferente para cada computador? Alterar a configuração de redirecionamento de porta a cada vez que um computador diferente necessitar de suporte? A resposta para isto é: Faça a configuração de redirecionamento de porta no seu modem e utilize a opção “Conexões Reversas” do “Visualizador de área de trabalho remota”. Com esta opção, seu cliente pedirá que você conecte no computador dele. Desta maneira, ele não precisará configurar nada além de instalar e definir uma senha no VNC.

Não tenho como entrar em detalhes de configuração de redirecionamento de portas, pois cada modem ADSL tem suas diferenças, então vamos direto à nossa conexão remota.

Para inicio de conversa, abra o “Visualizador de área de trabalho remota” que está disponível no menu Aplicativos => Internet => Visualizador de área de trabalho remota.

No “Visualizador de área de trabalho remota” vá no menu Arquivo => Conexões reversas.

Na janela que se abre, deixe as configurações como na imagem abaixo:

A configuração do “Visualizador de área de trabalho remota” está pronta para receber novas conexões de outras máquinas. Agora vamos ver como o cliente que usa Windows fará para conectar em nossa máquina.

Depois de instalado o VNC no Windows, vá no menu Iniciar => Todos os programas => RealVNC => VNCServer => Add New Client como na imagem abaixo:

Será aberta a janela para informar o IP ou nome de domínio para conexão remota. Nesta janela o cliente informará o IP da máquina onde foi configurado o “Visualizador de área de trabalho remota”. Este host pode ser um endereço da rede interna, caso os computadores estejam na mesma rede, ou um endereço público, caso os computadores possam se comunicar apenas pela internet.

Quando a conexão se estabelecer o cliente terá seu papel de parede removido e ele visualizará uma tela como podemos ver abaixo, veja o ícone do VNC que estará com o fundo preto.

Abaixo podemos ver a tela do “Visualizador de área de trabalho remota” já com a conexão estabelecida.

Espero que esta informação seja útil tanto para quem não conhecia a conexão reversa quanto para quem já a tinha utilizado em ambientes totalmente Windows.

Ubuntu 11.04 com muitas novidades

O desenvolvimento do Ubuntu 11.04 já começou a ser traçado e muitas mudanças estão por vir.

A mudança que será mais notada é, sem sombra de dúvidas, a mudança do Gnome-panel para o Unity. Sim, não estou louco, na versão 11.04 a interface padrão será a mesma utilizada em netbooks na versão 10.10.

O motivo da mudança é o desenvolvimento do Gnome 3 que será lançado, segundo cronograma, em março do próximo ano. Como o Ubuntu sempre segue este calendário(Gnome+1) para lançamento de suas versões e o Gnome 3 usará o Gnome shell no lugar do gnome-panel, a Canonical preferiu utilizar o Unity, que no final das contas tem algumas funcionalidades parecidas. Para quem não gostou da ideia, sempre é possível voltar a utilizar o Gnome 2 pois ele estará disponível nos repositórios.

Embora esta seja a mudança que será notada com maior facilidade por ser a porta de entrada do sistema, muitas outras mudanças foram definidas como banshee no lugar do rhythmbox como player de músicas, firefox 4, libreoffice no lugar do openoffice se este estiver maduro o suficiente e suporte ao protocolo RDP no vinagre.

O suporte a RDP no vinagre ainda não está garantido, mas caso seja efetivado o cliente do terminal server será removido.

Integrar o Thunderbird ao mini-aplicativo Indicador

Por algum tempo tentei utilizar o cliente de email padrão do Ubuntu, Evolution, mas confesso que ele nunca me agradou totalmente principalmente por ter muito mais do que eu precisava que era só um leitor de emails. Como alternativa sempre utilizei o Thunderbird, embora tenha usado o Zimbra Desktop por um longo período, e sempre senti falta de uma integração do Thunderbird com o mini-aplicativo indicador.

Para resolver este problema existe um complemento que adiciona as devidas entradas no menu de notificação quando o Thunderbird é aberto. Este complemento pode ser baixado no endereço abaixo:

Para instalar este complemento faça o download do arquivo entrando no endereço acima e clique no botão “Download for Linux”.

Depois de feito o download, abra o Thunderbird e vá no menu Ferramentas => Complementos e clique no botão “Instalar”

Preste atenção que na janela que se abre, para selecionar o complemento a ser instalado, estará marcado para mostrar apenas arquivos com a extensão .jar, marque para mostrar todos os arquivos como na imagem abaixo.

Selecione o arquivo thunderbird_indicator-1.1-tb-linux.xpi, clique em abrir e aguarde liberar o botão “Instalar agora”.

Depois disto basta reiniciar o Thunderbird e você poderá ver o plugin funcionando como na imagem abaixo: