Resumo semanal 01

Neste domingo estamos estreando uma nova sessão no site onde eu(Ivan) vou falar um pouco sobre o que aconteceu no mundo do software livre durante a semana e o que pode estar por vir.

Se tiver algum evento para divulgar, por favor, envie por email para ubuntero@ubuntero.com.br até a sexta-feira anterior ao domingo em que o programa vai ao ar.

A sessão ainda não tem nome e então está lançada aí chamada para sugestões de nomes.

Este programa ainda foi gravado de maneira meio improvisada, sem um tripé para posicionar bem a câmera, por isso eu fiquei mais no canto da gravação, mas para a próxima semana acredito que este problema técnico será resolvido. O som também não ficou legal, foi utilizado o microfone da filmadora, mas para o próximo episódio farei a gravação do som separado e sincronizarei na edição.

Links

Estrutura de diretórios Linux

Você já se perguntou por que alguns programas estão localizados em /bin, ou /sbin, ou /usr/bin, ou /usr/sbin?

Por exemplo, os comandos que estão localizados em /usr/bin. Por que não /bin ou /sbin ou /usr/sbin? Qual é a diferença entre todos esses diretórios?

Neste artigo, vamos rever as estruturas do sistema de arquivos Linux e compreender o significado de cada um dos diretórios de alto nível.

/bin Executáveis binários
/sbin Sistema binário
/etc Arquivos de Configuração
/dev Arquivos de dispositivos
/proc Informação de processo
/var Arquivos variáveis
/tmp Arquivos temporários
/usr Programas de usuário
/home Diretório pessoal
/boot Arquivos de inicialização
/lib Bibliotecas do sistema
/opt Aplicações opcionais
/mnt Diretório de Montagem
/media Dispositivos de média removíveis
/srv Serviço de dados

 

1. / – Root

  • Todos os arquivos e diretórios começa a partir do diretório raiz.
  • Usuário root só tem privilégio escrever sob este diretório.
  • Por favor note que / root é o diretório home do usuário root, o que não é o mesmo que /.

2. /bin – user binários

  • Contém executáveis ​​binários.
  • Comandos comuns linux que você precisa para usar em single-user modos estão localizados sob este diretório.
  • Comandos usados ​​por todos os usuários do sistema estão localizados aqui.
  • Por exemplo: ps, ls, ping, grep, cp.

3. /sbin – Sistema Binário

  • Assim como /bin, /sbin também contém executáveis ​​binários.
  • Mas, os comandos linux localizado neste diretório são usadas tipicamente pelo aministrator do sistema, para fins de manutenção do sistema.
  • Por exemplo: iptables, reboot, fdisk ifconfig, swapon

4. /etc – Arquivos de Configuração

  • Contém arquivos de configuração exigido por todos os programas.
  • Este também contém scripts shell de inicialização e desligamento usado para iniciar / parar programas individuais.
  • Por exemplo: /etc/resolv.conf, /etc/logrotate.conf

5. /dev – Arquivos de dispositivos

  • Contém os arquivos do dispositivo.
  • Estes incluem dispositivos terminais, usb, ou qualquer outro dispositivo conectado ao sistema.
  • Por exemplo: /dev/tty1, /dev/usbmon0

6. /proc – Informação de Processo

  • Contém informações sobre o processo do sistema.
  • Este é um pseudo sistema de arquivos que contém informações sobre a execução do processo. Por exemplo: / proc / pid} {diretório contém informações sobre o processo com o pid particular.
  • Este é um sistema de arquivos virtual com informações de texto sobre os recursos do sistema. Por exemplo: /proc/uptime

7. /var – Arquivos Variáveis

  • Conteúdo dos arquivos que são esperados para crescer podem ser encontrados sob este diretório.
  • Isso inclui – arquivos de sistema de log (/var/log); pacotes e arquivos de banco de dados (/var/lib); e-mails (/var/mail); filas de impressão (/var/spool); arquivos de bloqueio (/var/lock); arquivos temporários necessários entre as reinicializações (/var/tmp);

8. /tmp – Arquivos temporários

  • Diretório que contém arquivos temporários criados pelo sistema e usuários.
  • Arquivos neste diretório são excluídos quando o sistema for reiniciado.

9. /usr – Programas de Usuários

  • Contém binários, bibliotecas, documentação e código-fonte para os programas de segundo nível.
  • /usr/bin contém arquivos binários para programas do usuário. Se você não consegue encontrar um binário de usuário em /bin, procure em /usr/bin. Por exemplo: at, awk, cc, menos, scp
  • /usr/sbin contém arquivos binários para administradores de sistema. Se você não consegue encontrar um sistema binário em /sbin, procure em /usr/sbin. Por exemplo: cron, atd, sshd, useradd, userdel
  • /usr/lib contém bibliotecas para /usr/bin e /usr/sbin
  • /usr/local contém usuários de programas que você instala a partir da fonte. Por exemplo, quando você instala o apache a partir da fonte, ele vai em /usr/local/apache2

10. /home – Diretório pessoal

  • Diretórios para todos os usuários armazenarem seus arquivos pessoais.
  • Por exemplo: /home/edigley, /home/ubuntero

11. /boot – Arquivos de inicialização

  • Contém arquivos de boot carregadores relacionados.
  • Initrd do kernel, os arquivos vmlinux, grub estão localizados em /boot
  • Por exemplo: initrd.img-2.6.32-24-generic, vmlinuz-2.6.32-24-generic

12. /lib – Bibliotecas do sistema

  • Contém arquivos de biblioteca que suporta os binários localizado em /bin e /sbin
  • Nomes de arquivos da biblioteca são ou * ld ou lib *. so .*
  • Por exemplo: ld-2.11.1.so, libncurses.so.5.7

13. /opt – Aplicações opcionais

  • opt significa opcional.
  • Contém aplicativos adicionais de fornecedores individuais.
  • aplicações add-on deve ser instalado sob qualquer /opt/ or /opt/ sub-diretório.

14. /mnt – Diretório de montagem

  • Diretório de montagem temporária onde sysadmins pode montar sistemas de arquivos.

15. /media – Dispositivos de mídia removível

  • Diretório de montagem temporária para dispositivos removíveis.
  • Para exemplos, /media/cdrom para o CD-ROM; /media/floppy para drives de disquete; /media/cdrecorder para gravador de CD

16. /srv – Serviço de Dados

  • srv significa serviço.
  • Contém dados do servidor de serviços específicos relacionados.
  • Por exemplo, /srv/cvs CVS contém dados relacionados.
[Traduzido de www.thegeekstuff.com]

Fórum Tchelinux.org – Edição Porto Alegre 2011

O Fórum Tchelinux.org – Edição Porto Alegre 2011, é um evento promovido por voluntários do Grupo de Usuários de Software Livre Tchelinux.org em parceria com a FTEC Porto Alegre, com a finalidade de divulgar Tecnologias Livres, como Softwares Livres (Free Software/ Open Source), Linguagens de Programação e Hardware, através de palestras e workshops, veiculadas para todos os interessados da área de Tecnologia da Informação.

O Tchelinux.org é um grupo formado por entusiastas voluntários que utilizam software livre em seu cotidiano. A iniciativa baseia-se no compartilhamento do conhecimento adquirido, visando deixar claro que tanto o software utilizado, quanto o conhecimento, são livres e podem ser usados por todos, sem barreiras.

Local e data

  • Data: 26 de Novembro 2011
  • Há estacionamento diagonalmente a frente da instituição
  • Horário: Sábado – 08:30h até 17h sem atrasos previstos

Inscrições

  • O custo para o evento é apenas 2Kg de alimento não perecível (levar no dia do evento)
  • Por ser uma carga horária inexpressiva, só serão feitos certificados para Palestrantes e Voluntários
  • As inscrições para o evento podem ser realizadas através do formulário externo >> CLICANDO AQUI <<

Para saber mais detalhes visite o o site do evento em tchelinux.org

Cinelerra, edição profissional de vídeo no Linux

Não sou nenhum profissional de edição de vídeo, mas sempre que eu ouço alguém falar de edição profissional de vídeos no Linux o programa mencionado é o Cinelerra. Algumas pessoas me perguntaram como instalar o Cinelerra no Ubuntu, já que o mesmo não está presente no repositório oficial do Ubuntu. Veja como fazer isto nos passos a seguir:

Abra o terminal, pressionando a tecla Ctrl+Alt+t e digite os seguintes comandos:

sudo apt-add-repository ppa:cinelerra-ppa/ppa
sudo apt-get update
sudo apt-get install cinelerra

Pronto, agora você tem o Cinelerra instalado e o limite será a sua imaginação e talento. Como estou iniciando neste mundo, vou postar algumas descobertas de um iniciante neste mundo assim que for aprendendo as funções do programa.

Ajude o Ubuntu a melhorar a configuração de som

O time de design da Canonical está trabalhando em possíveis mudanças na configuração do som, nada de mudanças relativas a drivers, e precisa que os usuários digam como estão utilizando as configurações hoje.

Para ter uma melhor ideia do que deve ser feito, uma pesquisa foi iniciada e todos os usuários estão convidados a participar e dizer o que acham da atual maneira de configurar o sistema de som. Para isso entre no site da pesquisa e responda as questões(em inglês) feitas pelo time.

Fonte: OMG Ubuntu

Ferramenta de cópia de segurança Déjà Dup

O Ubuntu 11.10 trouxe uma ótima ferramenta de backup chamada Déjà Dup. O Déjà Dup, embora difícil de se escrever, é um programa nada complicado. Os backups podem ser armazenados em HD externo, algum diretório no próprio sistema de arquivos ou no seu espaço no Ubuntu One.

Para configurar o sistema de backup, pressiona a tecla Super e digite “deja dup” e pressione Enter.

Na tela inicial do programa você escolhe se irá restaurar um backup já feito ou se irá configurar uma nova tarefa. Escolhendo a configuração de uma nova tarefa de backup temos a seguinte tela.

Clicando no botão de configuração temos a seguinte janela mostrando a configuração padrão de um backup e os botões de Ajuda, Restaurar e Fazer cópia de segurança. As outras telas mostram mais configurações da sua cópia de segurança.

Conferidas as configurações e adaptadas as suas necessidades, pode voltar na primeira tela onde temos a visão geral e clicar em “Fazer cópia de segurança agora” para começar o processo. Você pode deixar que a cópia seja feita automaticamente selecionando esta opção nesta mesma tela.

Assistir DVD através de uma imagem ISO

Já passou por esta situação de ter uma imagem ISO de um DVD de algum filme e querer assistir no computador? A primeira solução que passa pela cabeça de qualquer pessoa é gravar esta imagem em um DVD e executar utilizando o leitor de DVD do computador. Se você tem tempo livre para fazer a gravação e está utilizando mídias regraváveis esse procedimento pode não ser um problema.

A segunda coisa que pode passar pela sua cabeça é arrumar alguma maneira de montar esta imagem e então assistir ao DVD através de uma simulação de um drive de DVD. Esta solução era uma ótima pedida até a algum tempo, e ainda pode ser usada.

Mas para que fazer estes procedimentos se temos uma maneira muito mais simples e que não precisa de nenhum procedimento especial? No Ubuntu você precisa epenas abrir o Totem, reprodutor de vídeo padrão do Ubuntu, e arrastar o arquivo ISO até a janela do programa. Simples assim e seu DVD rodará na tela, incluindo os menus.

Não recomendo assistirem o filme que mostro no vídeo abaixo, é muito ruim.

Warzone 2100

O jogo desta semana foi escolhido pensando nos fãs de jogos de estratégia em tempo real(RTS).

O jogo Warzone 2100 é um jogo de ficção científica em 3D, reimplementação melhorada do clássico jogo desenvolvido pelo estúdio Pumpkin em 1999, calma, os gráficos não são de 1999.

As modalidades oferecidas pelo jogo são campanha, tutorial, multi-player e single-player skirmish. Além disso o jogo permite que você monte suas unidades com esteiras e canhões conforme o seu desejo e a evolução das unidades que não são destruídas durante os combates.

Caso você tenha instalado o jogo Zero Ballistics que mostramos na última semana, desative o repositório indicado no artigo para instalar a versão do repositório do Ubuntu que é mais estável.

Para instalar basta abrir a Central de Programas do Ubuntu e procurar por Warzone, só irá aparecer um aplicativo. Clique no botão instalar e aguarde o fim do download.

Para jogar, pressione a tecla Super e digite warzone, apenas um aplicativo irá aparecer e basta pressionar Enter para iniciar o jogo.

Se gostou do artigo, entre neste link para votar no Ubuntero para o prêmio TopBlog Brasil 2011, não custa nada e ajuda o site.

Pacotes otimizados para o seu computador

Se você é louco por desempenho e tem bastante tempo para compilar uma aplicação, o apt-build foi feito para você. A sintaxe do programa é muito parecida com o apt-get, no entanto, o apt-build utiliza os pacotes de código fonte(dev) para fazer as instalações, fazendo com que se ganhe um pouco com desempenho, nem sempre este desempenho ganho vale o tempo para recompilar a aplicação.

Para instalar o apt-build não precisamos adicionar nenhum repositório, ele já faz parte do Ubuntu. Para isto abra o terminal pressionando Crl+Alt+t e digite os seguintes comandos:

sudo apt-get install apt-build

Selecione o nível de otimização que deseja, o nível forte irá levar mais tempo para compilar os programas, mas é o indicado para quem deseja ter o máximo de desempenho com a compilação.

Aceite quando for pedido para adicionar a linha do APT em seus repositórios.

Selecione o seu tipo de processador que será utilizado nas otimizações.

Depois disto é só utilizar o programa na linha de comando. Veja abaixo alguns comandos que serão interessantes para seu uso.

  • apt-build update – atualiza a lista de pacotes
  • apt-build upgrade – atualiza o sistema
  • apt-build install programa – instala um programa
  • apt-build world – recompila todos os pacotes do sistema

Utilizei o nível forte e fiz a instalação do mysql-server em um processador core 2 quad e o tempo de compilação durou um pouco mais de 4 horas.

Fonte: Daniel Costa – TechBlog