Intel retira suporte ao XMIR

Categoria: Ubuntu | Palavras-chave: , , , , ,

Intel_logo

Uma notícia um pouco preocupante para quem usa o driver através do instalador próprio da Intel em seu computador e pretendia usá-lo no Ubuntu. A Intel anunciou que não dará suporte ao seu driver no servidor gráfico XMIR que será utilizado no Ubuntu nas próximas versões. A empresa está concentrando seus esforços para entregar o melhor driver para o Wayland, outra alternativa para mudança de servidor gráfico que deverá estar presente na maioria das distribuições.

A decisão foi divulgada no commit de código no Git do driver.

“We do not condone or support Canonical in the course of action they have chosen, and will not carry XMir patches upstream.

-The Management”

Acredito que a maioria dos usuários usem o driver padrão da distribuição, este sim continua sendo portado para o XMIR, mas não pela Intel e sim pela Canonical. Eu nunca precisei do driver do instalador próprio da Intel, mas já tive curiosidade em utilizar para ver as diferenças.

E aí, o que achou desta notícia? Qual o impacto desta decisão para os planos da Canonical e para o Wayland? Será que começa a entrar água no chopp da Canonical?

Fonte: Phoronix

Publicado em 9 de setembro de 2013 | 23 Comentários

Ivan Brasil Fuzzer

Ivan Brasil Fuzzer

Faço parte do grupo Tchelinux(http://www.tchelinux.org). O Tchelinux é um grupo de voluntários que trabalha com software livre e ainda acredita que boas coisas podem ser feitas nesta comunidade; desde que saibamos repassar aos que estão iniciando que Software Livre é um aprender e repassar o conhecimento incessante. Sou líder do Ubuntu-BR-RS juntamente com a Marta Vuelma. Tentamos divulgar a distribuição e auxiliar novos usuários por todo o estado do Rio Grande do Sul, as vezes em outros estados também. Sou um amante incondicional de software livre. Vivo apaixonado pelo Ubuntu.

Mais posts do autor (856)

23 Comentários

  1. Guilherme Silva disse:

    o mais estranho e é o que acho que tudo isto não passa de conspiração contra o Ubuntu no geral…pois tempos atrás quando a Canonical era totalmente a favor do Wayland…todos se apresentavam contras…agora só porque ela não apoia o Wayland…todos agora são a favor do mesmo e contra as decisões da Canonical…linux é liberdade…porem falta coerência da comunidade linux e muito mimimi..parecem um bando de garotinhas mimadas..amo “Open Source” porem enquanto menininhas estiverem nas suas rédias..nunca irá evoluir ou chegar ao seu ápice de sua capacidade….e viva o Linux…

    • Não digo conspiração, mas tem alguma coisa a mais que não sabemos. O Wayland vinha se arrastando em especificação e ninguém botava data para começar a usar, isso desde 2008. Quando a Canonical se encheu e chutou o balde, milagrosamente o Wayland saiu dos planos para a realidade.

      Na melhor das hipóteses o Wayland vai ficar perfeito depois disso, aí todos ganham, mesmo que a Canonical tenha que voltar atras e usar o Wayland no lugar no Mir.

  2. “driver livre” vs “driver proprietário” da Intel?
    Até onde eu sei não existe nenhum driver proprietário para GPUs Intel…

  3. Mascarado disse:

    Do jeito que esses drivers proprietário para linux são feitos com “carinho” bem capaz do driver livre portado pro Xmir pela Canonical ser mais eficiente que o próprio driver proprietário feito para o Wayland pela Intel, provavelmente a Intel está esperando pra ver qual será a repercussão do novo servidor gráfico da Canonical para depois decidir se investe nele ou não.

    • Não acredito que estejam esperando, é birra comercial mesmo. A Intel tem bastante gente trabalhando no Wayland.

    • Ignacio disse:

      Não existe isso de driver livre ou driver proprietário no caso da Intel, são todos drivers livres.

      E na verdade, os drivers são basicamente os mesmos tanto para Wayland quanto para o Mir, o código no Mesa é o mesmo, o módulo DRM no Linux é o mesmo, no caso, só muda a parte do X.org para suportar o XMir.

      E é justamente nessa parte do driver do X.org para suporte ao XMir que a Intel não está interessada em manter, jogando a conta disso para a Canonical. Se a Canonical puder manter os patches por conta própria, aí não teremos problema algum…

      É uma decisão com razões políticas? Acho difícil dizer que não. Mas não me causa nenhuma surpresa.

      • Ignacio, sobre o driver proprietário foi problema de pensar em uma coisa e escrever outra, já foi corrigido no post. Sobre o outro comentário eu já discutimos, sadiamente, bastante em outro tópico e não vejo porque voltar a ter a mesma conversa com os mesmos argumentos.

  4. David S. disse:

    Eu não gosto da Distro Ubuntu mas estou de acordo com a Intel a Canonical em vez de criar algo novo pq não usa o Wayland que está bem mais maduro…

    Abraços.

    • Davi, mais maduro não está, por isso ninguém o usou até agora. Tem bastante especificação e só. O Fedora pretende usar na versão 20 o Wayland como opcional e usável, porque ele ainda não o é.

      • David S. disse:

        Mas Ivan em comparação ao XMIR o wayland está sim mais maduro era nesse sentido que eu queria dizer. O grande problema da Canonical é querer dar sempre um paço maior que eles podem depois é falhanço atrás de falhanço…

        Abraços.

        • Respeito tua opinião, mas fiquei curioso nesse falhanço atrás de falhanço. O único que vi foi o Ubuntu Edge até agora.

          • David S. disse:

            Oi Ivan sobre alguns falhanços tirando o mais recente do Edge o Unity é outro só os super fãs Ubuntu usam aquilo…
            Como já tinha falado antes não uso nem recomendo Ubuntu a ninguém para quem não quer usar o Debian e quer uma distro mais amigável no termo de ter toda a papinha feita recomendo o Mint.

            Abraços.

            • David, muito pelo contrário, usuários Ubuntu usam e aprovam o Unity, quem não aprova já está em outras distros. Conheço muita gente que falava mal no início e depois que deu uma chance para a interface viu que ela é realmente boa. Rola algum preconceito, isso sim, mas dizer que ela é um falhanço, aí já é ser hater.
              Admito que tem coisas que não são perfeitas no Unity, mas as outras tem muito mais coisas que me incomodam. Sou usuário do Unity muito antes de ele entrar para a a versão desktop, usava ele na versão netbook remix e sempre me perguntava se não seria possível melhorar aquela interface para o desktop.
              Acredito que se acha que é um falhanço é porque não entendeu ou não quis entender a interface que poupa muito tempo nas tarefas do dia-a-dia.

              • David S. disse:

                Bom Ivan respeito o seu ponto de vista das coisas visto que é um fã Ubuntu eu tb já tinha testado o Unity antes nos netbooks Ubuntu Remix era o nome mas nunca durou 1 dia essa distro por vários motivos quando usava o skype nessa distro torrava meu CPU assim como em RAM. Hoje tenho Debian no meu netbook com openbox e aquilo sim é uma distro para netbook super leve 70Mb de uso e com skype ligado vai para uns 140Mb e o CPU fica normal. Também já usei Mint 14 com Cinnamon e também achei leve mas não tanto como agora.

                Abraços.

      • Ignacio disse:

        Será que a desculpa da maturidade do Wayland é só para poder deitar a cabeça no travesseiro se esquivando do NIH???? Ou é por que não entendem absolutamente nada sobre o funcionamento do Wayland? UMA COISA É O WAYLAND, OUTRA COISA SÃO OS COMPOSITORES (desculpe o caps).

        A maturidade do Wayland tem uma data: 22/10/2012. Foi nesta data que saiu a versão 1.0, e por sinal, antes do anúncio do Mir. Antes disso, desenvolver uma aplicação ou toolkit para Wayland provavelmente seria uma perda de tempo, pois não havia uma API estável para o lado do cliente. A partir daqui se pode dizer que o Wayland estava maduro para fazer as coisas usando o Wayland. Mas claro, ninguém poderia desenvolver para o Wayland da noite para o dia, é uma mudança gigantesca.

        Desenvolver uma aplicação ou um compositor para o Wayland antes de março de 2012 era um nonsense ainda maior, pois nem versão oficial tinha, o negócio era compilar diretamente do Git.

        Dois meses após a versão 1.0 do Wayland sair, veio o Qt 5.0, com suporte à Wayland. O GTK+ 3.8 também teve o seu suporte para o Wayland 1.0 adicionado, e foi lançado em março de 2013 conforme previsto. Algo similar ocorreu com o EFL, e por aí vai.

        Com o suporte aos toolkits concluído, aí sim o pessoal começou a fazer os projetos para trabalhar de verdade nos compositores, já sabendo que isso deveria levar pelo menos mais um ano. Só que justamente em março de 2013, apenas 4 meses depois do Wayland 1.0 ter sido lançado (lembrando que 4 meses não dá nem um ciclo de lançamento do GNOME, do KDE SC ou do Ubuntu) a Canonical anunciou o Mir…

        O que a Canonical está querendo mostrar no Ubuntu Saucy Salamander é conversa mole pra boi dormir. É um ambiente de desktop inteiro rodando dentro do X e de qualquer jeito. Já o GNOME está falando em rodar “dentro” do Wayland, ou seja, algo nativo, e sem colocar o carro na frente dos bois como a Canonical quer fazer.

  5. Paulo Volpato disse:

    A revista http://www.revista.espiritolivre.org em Março lanço um post dizendo que a GNOME aposta no Waylan “A equipe de desenvolvimento do GNOME informou na lista de discussão do GNOME que deverão trabalhar no Wayland para o GNOME….. O recente anúncio quanto ao Mir nos fez decidirmos com mais força e urgência no trabalho com o Wayland para ajudá-lo a alcançar seu pleno potencial…..primeiramente, o GNOME Shell deverá trabalhar com o Wayland como composit de forma opcional, tendo o GTK substancialmente completo em background”
    Acho que vamos ter de sentar e esperar os próximos episódios rs rs rs..

  6. Enzzo disse:

    Bem feito para canonical, parabens para intel.
    Se a canonical estava irritada com o atraso do wayland, porque ela não pegou e deu um adianto?

  7. Leandro disse:

    Meio atrasada a resposta, mas achei interessante deixar mais um comentário de alguém que tem placa de vídeo Intel.

    Tenho um notebook com uma placa de vídeo compartilhada que desde que comprei deu problemas no Ubuntu. Testei várias e várias mudanças nas configurações, entre elas a utilização do driver da Intel, o que não resolveu em nada.

    Ainda usando a versão 13.04 resolvi testar a Steam recém lançada e acabei apenas gastando dinheiro, pois não consegui rodar nem mesmo jogos extremamente leves.

    Por isso da pra imaginar a tamanha ansiedade pelo lançamento da versão beta do Ubuntu com MIR. Ao instalar o beta, tive a grata surpresa de sair tudo funcionando perfeitamente, inclusive os jogos que eu havia comprado pela Steam.

    Resumindo, nunca vi a Intel dedicar muitas forças nos drivers deles pra Linux, então acredito que podemos ter bastante esperanças nos drivers da própria Canonical sem medo, porque eles sim tem interesse em deixar tudo funcionando perfeitamente para o MIR.

    • David S. disse:

      Leandro a Canonical não cria drives para GPUs.
      E as GPUs da INTEL nunca foram o foco de games mas a nivel de drives em GNU/Linux a Intel está até bem em muitas distros.

      Abraços.

  8. Antonio disse:

    AMD FM2 for the win :d