Disponível LibreOffice Magazine #7

Capa da Libreoffice Magazine 7

O mês de outubro é uma festa para a TDF e para todos que apostaram no projeto LibreOffice. Foi em outubro de 2010 que algumas pessoas resolveram mudar o rumo das coisas, que na época estavam paradas e sob as ordens de uma grande empresa, levando o projeto para um grupo que abraçou a causa e revolveu seguir sob a tutela de uma fundação. O grupo recebeu o apoio de pessoas de todo o mundo e deu nisso: 3 anos de LibreOffice. Sucesso!

Ao redor do mundo tem o apoio das comunidades para todas as fases, desde o desenvolvimento, indo pela divulgação, utilização etc. E a comunidade brasileira não poderia deixar de registrar sua marca dentro do projeto. E assim em outubro de 2012, foi lançada a 1ª Edição da revista LibreOffice Magazine, pela comunidade brasileira, dentro de um dos mais importantes eventos sobre software livre no Brasil: Latinoware. O projeto é internacional, mas não há em outro país, senão no Brasil. Sucesso!

E depois de comemorar, mesmo que seja só na imaginação, leia a revista. Falamos de LibreOffice nas dicas, tutoriais e depoimentos de vários colaboradores. Do Openfire – software livre para comunicação interna. Sobre a necessidade que o mercado empregador tem de pessoas com formação tecnológica e finalizamos a série sobre o kernel Linux com o último artigo. E para contar um pouco dos acontecimentos dos últimos 3 anos temos um texto de Eliane Domingos, falando desde o incio do projeto LibreOffice até a comemoração dos 3 anos do projeto e de 1 ano da revista.

Baixe já o seu exemplar
Baixe já o seu exemplar

Ganhe o jogo “Brütal Legend”

brutal-legend-1

Toda a semana o Diolinux e o Canal Strondus Games com apoio da LinuxSociALL, Ubuntu Dicas e a partir de agora o Ubuntero sorteiam um super jogo para você!

#ojogodasemana - Brutal Legend

Para comemorar um mês de existência da promoção semanal o jogo a ser sorteado é o Brütal Legend. Brutal Legend está disponível na Steam para Linux, Windows e Mac OS,  é um jogo de ação e aventura criado pela Double Fine Productions e publicado pela Electronic Arts. Tim Schafer, diretor do jogo, foi inspirado nas experiências próprias de seu passado musical.

Assistir no Youtube

O personagem principal do jogo se chama Eddie Riggs, dublado e modelado a partir das características de Jack Black , um roadie que é transportado para um mundo fantasioso inteiramente forjado pelo heavy metal. Junto com Jack Black, o jogo também trás famosos músicos do heavy metal como Lemmy Kilmister do Motörhead, Rob Halford do Judas Priest, Ozzy Osbourne e Lita Ford e outras celebridades como o ator Tim Curry, além de uma trilha sonora com 107 faixas, de variadas vertentes do Metal, selecionadas por Tim Schafer para o jogo.

Eu tenho este jogo e posso garantir que é espetacular com muitas referências para quem gosta de heavy metal. Corre participar do sorteio. Para se inscrever basta acessar este link e seguir as instruções, o resultado sai na próxima sexta-feira dia 01/11/13.

Videocast #46 – Latinoware

miniatura-videocast-46-latinoware

Entre os dias 16 e 18 de outubro ocorreu a décima edição da Latinoware e eu estive no evento para representar o site e acabei sendo o representante do Ubuntu-BR-RS. Participei de maneira tímida, já que não estava preparado para isto, era para ser apenas mais um participante.

Estive presente no evento apenas nos dois primeiros dias devido a um compromisso pessoal que me fez pegar a estrada antes da hora, mas deu para fazer bons contatos, conhecer gente nova e reencontrar velhos amigos.

Quer saber alguns detalhes a mais? Assiste o vídeo. O áudio ainda não está como eu quero, mas foi erro meu ao regular o volume do microfone e o posicionamento, no próximo estará muito melhor.

Assistir no Youtube

Links

Pesquisa da Valve sobre o uso da Steam

pesquisa-steam-1

Já falamos no Opencast sobre a pesquisa que a Valve faz referente ao uso da Steam, mas não tínhamos imagens ou mais dados.

Já foi discutido também que não faria sentido a Valve fazer uma pesquisa já que ela tem um programa no computador dos usuários que pode fazer esta coleta e enviar para seus servidores, ou até mesmo usar a conexão com seus servidores para que essa informação seja enviada assim que um cliente se conectar. Isso seria possível sim, mas seria bem anti-ético, já que isto não é informado nos termos que são aceitos para se cadastrar no sistema.

Os dados coletados pela pesquisa são compilados e um relatório é gerado com as informações de Sistema Operacional e o hardware utilizado pelos usuários. Deste que a Steam estreou no Linux, esse número tem caído e muitos rumores surgem como a descontinuidade da versão para Linux(isso já não se sustenta depois que a Valve anunciou seu próprio console baseado em Linux). Outra coisa que tira a sustentação desta tese e justifica os números é que utilizo a Steam desde que foi lançada para Linux e respondi a pesquisa apenas pela segunda vez e sei que muitos usuários de Linux jamais viram esta pesquisa.

Para quem nunca viu a pesquisa, seguem algumas telas.

pesquisa-steam-1 pesquisa-steam-2 pesquisa-steam-3 pesquisa-steam-4 pesquisa-steam-5

Acredita agora que os números de uso da Steam não mostram a realidade?

Sudo su, porque não usar?

tirinha-sudo

Uma prática muito usual entre novos e experientes usuários é a utilização do comando sudo. Ele é muito útil por permitir executar comandos administrativos sem que seja necessário logar-se com o usuário root. Porém, vejo muita gente cometendo um erro e esse é muito difundido por sites que deveriam difundir a maneira correta de se fazer as coisas.

A primeira coisa que temos que corrigir é que o sudo não serve apenas para executar programas como root, ele serve para executar como qualquer outro usuário, depende da política de segurança em suas configurações, o padrão do Ubuntu é executar como root.

A ideia deste post não é falar sobre todas as possibilidades apresentadas pelo comando sudo, mas sim falar sobre uma prática que não é a ideal, o uso do comando “sudo su”. Já vi muita gente dizendo que usou o comando “sudo su” e não conseguiu executar comandos ou obteve erros na execução, claro que só fiquei sabendo que tinha sido usado o “sudo su” depois de muita conversa.

Ao usar o comando “sudo su”, você usará o usuário root para fazer suas tarefas sem precisar digitar novamente o comando sudo, porém, você não fez o login como usuário root e arquivos essenciais não foram carregados como o .profile e o .login além de variáveis de ambiante que são específicas do usuário root.

Como resolver este problema então?

Simples, utilize o comando “sudo -i”. Desta forma você continua tendo a mesma funcionalidade, mas agora você será realmente o usuário root e terá carregado tudo o que é necessário para realmente ser considerado um super usuário no Linux, sem precisar habilitar este usuário.

Mesmo mostrando como fazer, eu ainda prefiro não utilizar nenhum dos comandos, o ideal é usar o comando “sudo -i comando” que terá o mesmo efeito, mas será só para o comando que está executando, o que evita problemas futuros.

Gostou da dica? Compartilha nas suas redes sociais!

Ubuntu continua crescendo nos servidores

os-linux-1310

O Debian continua no topo, mas o Ubuntu está chegando lá com um crescimento muito alto e constante.

Como já era de se esperar, o Debian continua dominando o mercado de servidores com 32,5% das instalações, seguida pelo Ubuntu e CentOS com 26% e pela Red Hat com 9%. Juntos, Debian e Ubuntu somam incríveis 58,5% do mercado de servidores, bem acima da soma da Red Hat, Fedora e CentOS que é de 38% aproximadamente.

O que é mais interessante neste gráfico é o crescimento do Ubuntu que é constante desde janeiro de 2011. O gráfico ainda traz informações interessantes sobre as tecnologias utilizadas em cada sistema. O CentOS é mais usado entre desenvolvedores Java e Perl. O Debian é mais utilizado entre desenvolvedores PHP e Python. Já o Ubuntu é mais popular entre os desenvolvedores Ruby e Javascript.

Outra informação interessante é a respeito do servidor web que os sistemas costumam rodar. Enquanto no CentOS o domínio é do Apache, no Debian o domínio é do Nginx.

Fonte: W3Techs

Trusty Tahr será o nome do Ubuntu 14.04 e seu calendário está definido

trust-tahr

Mark Shuttlerworth, ao falar sobre o lançamento do Ubuntu 13.10, anunciou o nome do Ubuntu 14.04, Trusty Tahr. O bichinho da foto aí de cima é uma espécie de cabra selvagem que representa resistência e coragem. Estes adjetivos me levam a crer que a próxima versão terá a estabilidade que é esperada de uma versão LTS, mas também terá a coragem da implantação do novo servidor gráfico Mir, mesmo sem os exaustivos testes que teríamos se o mesmo estivesse já disponível por padrão na versão 13.10.

Além do nome da próxima versão, temos também o seu calendário de lançamentos. Como muita gente sempre confunde as informações contidas no calendário, seguem as datas mais importantes.

  • Alpha 1(para os sabores) – 19 de dezembro de 2013
  • Alpha 2(para os sabores)  – 23 de janeiro de 2014
  • Beta 1(para os sabores) – 27 de fevereiro de 2014
  • Beta Final – 27 de março de 2014
  • Candidata a versão final – 10 de abril de 2014
  • Versão Final – 17 de abril de 2014

Os “sabores” do Ubuntu são as distribuições como Xubuntu, Kubuntu, Lubuntu, Ubuntu-GNOME e outras.

Ubuntu comemora 9 anos

Print Screen do Ubuntu 4.10

Print Screen do Ubuntu 4.10 Print Screen do Ubuntu 13.10

Em 20/10/2013 a distribuição GNU/Linux Ubuntu comemorou 9 anos do lançamento de sua primeira versão.

O Ubuntu 4.10 (The Warty Warthog) foi lançado em 20 de outubro de 2004 baseado na distribuição Debian, com a proposta de ser um sistema operacional Linux de fácil utilização, para que qualquer pessoa consiga usar sem dificuldades.

A cada 6 meses é lançada uma nova release. Em 17 de outubro de 2013 foi lançado o Ubuntu 13.10, 19ª versão do sistema com visual completamente diferente comparando-se com a primeira versão.

Algumas mudanças que ocorreram durante esses 9 anos:

– Até a versão 10.10 os Live CD’s de instalação eram distribuídos gratuitamente. Agora os Live CD’s podem ser adquiridos na loja virtual da Canonical (http://shop.canonical.com/) ou com os LoCo Teams que distribuem os mesmos em eventos aonde o Ubuntu está representado.
– Até a versão 9.10 as cores predominantes eram o marrom e o castanho. Após as cores predominantes passaram a ser o laranja e o roxo.
– Até a versão 12.04 o CD de instalação ocupava 700 MB no disco. A partir da versão 12.10 é necessário gravar a imagem ISO em um DVD ou pendrive, pois a imagem ultrapassa o limite de 700 MB de gravação de um CD.
– Até a versão 10.10 a interface padrão do Ubuntu era o GNOME. O Ubuntu 11.04 estreou a nova interface padrão chamada de Unity, considerada um divisor de águas para a distribuição Ubuntu.
– Até a versão 10.04 o tempo de suporte das versões LTS era de 3 anos para Destop e 5 anos para a versão Servidor. A partir da versão 12.04 o tempo de suporte das versões LTS são de 5 anos, tanto na versão Desktop como na Servidor.

Mas a grande mudança, que na verdade é um novidade, foi o lançamento do Ubuntu Touch em 17 de outubro de 2013. Trata-se da primeira versão do Ubuntu para dispositivos móveis (smartphones e tablets). Você pode conhecer mais sobre o Ubuntu Touch em um Videocast aonde apresentamos o sistema funcional.

A cada lançamento novas funcionalidades são adicionadas, mantendo sempre o foco em usabilidade, acessibilidade e internacionalização. Assim milhões de pessoas poderão usar o Ubuntu ao redor do mundo e de forma gratuita.

Fique com um vídeo com a demonstração do Ubuntu Touch:

Assistir no Youtube

Como desabilitar a lente da Amazon no Ubuntu 13.10

Desativar lente da Amazon no Ubuntu 13.10

Se você não gosta da lente da Amazon e está usando o Ubuntu 13.10, já deve ter percebido que não adianta desinstalar o pacote unity-lens-shopping como era feito na versão 13.04. O procedimento agora é um pouco diferente.

Para desabilitar a lente abra o Dash e clique na lente Aplicativos.

Desativar lente da Amazon no Ubuntu - Passo 1

Abra o sistema de filtros e selecione “Dash plugins“.
Desativar lente da Amazon no Ubuntu - Passo 2

Clique em Amazon e clique no botão Desabilitar.

Desativar lente da Amazon no Ubuntu - Passo 3 Desativar lente da Amazon no Ubuntu - Passo 4

Isto funciona para qualquer opção que estiver nos plugins do Dash. Para desfazer esta alteração basta seguir os mesmos passos e clicar no botão Habilitar.

 Fonte: Webupd8

 

Está disponível o Ubuntu 13.10

Ubuntu 13.10 Saucy Salamander

Ubuntu 13.10 Saucy Salamander

Hoje é um dia muito especial, não porque foi lançado o Ubuntu 13.10 (Saucy Salamander), mas sim por que junto foi lançada a primeira versão estável do Ubuntu Touch.

Vamos começar pelo Ubuntu 13.10. Esta nova versão não traz grandes mudanças e a principal novidade é a Smart Scopes que dá mais inteligência para o Dash, incluindo reconhecimento de pequenos erros de digitação e a adição de pesquisa em vários serviços online.

Durante a instalação limpa do Ubuntu você pode já fazer login ou criar uma conta no Ubuntu One, que agora não é apenas o serviço de sincronia de informações, é um sistema de login único para os serviços do Ubuntu.

No mais, esta versão traz atualização de vários outros programas, mas nenhuma funcionalidade excepcional. O Unity ganhou um pouco de desempenho, mas nada que seja extraordinário. Atualize se realmente desejar ter a mais nova versão.

Para fazer Download, use estas fontes:

Se você quiser conhecer esta nova versão sem instalar nada, nem baixar a iso, acesse este endereço que tem um tour mostrando todas as funcionalidades do sistema.

Agora vamos falar um pouco sobre o Ubuntu Touch que finalmente chegou a versão 1.0. Se você assistir nosso último vídeo sobre o Ubuntu Touch e instalar a versão 1.0, pouca coisa irá notar de diferença. O sistema continua com a lentidão da primeira vez em que o Mir foi aplicado e alguns travamentos ainda acontecem. Embora o sistema já esteja razoavelmente usável, ainda tem um longo caminho a ser trilhado até que alguém possa usar o Ubuntu Touch como sistema principal.

Caso queira instalar o Ubuntu Touch no seu dispositivo da linha Nexus, este tutorial está atualizado. Demora um pouco para aplicar as mudanças, mas não precisei mais fazer intervenções manuais durante a execução da instalação.