Videocast #47 – Debian

Categoria: Ubuntu, VídeoCast | Palavras-chave: , , ,

Videocast 47 sobre o Debian

Como prometido lá no Opencast #28, passei uma semana utilizando o Debian 7.2 e aqui falo um pouco sobre minha experiência. Quero lembrar que o que for dito neste vídeo é baseado na minha experiência e minhas opiniões podem ser diferentes das suas, o que não quer dizer que apenas eu ou você estamos certos, na verdade nós dois estaremos certos.

Resumindo o que verão no vídeo, o instalador do Debian, mesmo gráfico, não é o mais amigável que eu já vi, mas é melhor que o do Fedora e pior que do Ubuntu. O sistema precisa de bastante empenho para ficar bom para ser usado como desktop, faltam facilitadores, mas isso já era de se esperar pelo que li e conversei sobre o sistema.

A versão dos pacotes também é um problema que eu já estava esperando. Tentei durante um dia ficar com o que me é oferecido na instalação, mas no segundo dia já estava utilizando os repositórios testing e no terceiro dia em diante migrei para o unstable.

Minha conclusão é que se você quer ter o controle sobre seu computador, o Debian é uma boa opção, já se você quer instalar o sistema e simplesmente usar, procure outra distribuição, o Debian não lhe fará feliz.

Quer ver a análise completa? Assiste o vídeo então.

Assistir no Youtube

Links

 

Publicado em 4 de novembro de 2013 | 18 Comentários

Ivan Brasil Fuzzer

Ivan Brasil Fuzzer

Faço parte do grupo Tchelinux(http://www.tchelinux.org). O Tchelinux é um grupo de voluntários que trabalha com software livre e ainda acredita que boas coisas podem ser feitas nesta comunidade; desde que saibamos repassar aos que estão iniciando que Software Livre é um aprender e repassar o conhecimento incessante. Sou líder do Ubuntu-BR-RS juntamente com a Marta Vuelma. Tentamos divulgar a distribuição e auxiliar novos usuários por todo o estado do Rio Grande do Sul, as vezes em outros estados também. Sou um amante incondicional de software livre. Vivo apaixonado pelo Ubuntu.

Mais posts do autor (856)

18 Comentários

  1. Daniel disse:

    Caro Ivan, eu sou usuário Linux e uso as distros baseadas em Debian, e também o Fedora da Red Hat (pois como sabemos o fedora foi feito para usuários desktop final), e a minha pouca experiência que eu tenho e que ainda tá crescendo aos pouco conforme vou avançando no mundo linux é que o Debian sempre foi para maquinas corporativas e servidores, justamente pela estabilidade dele, até pq como foi dito no opencast 28, eles só lançam um nova versão do Debian quando eles tem certeza que ela não tem mais nenhum bug crítico, e isso ocorre de 3 em 3 anos. Já o Ubuntu e seus sabores (incluindo o Mint e o Elementary OS) são mais amigáveis pois são usuários finais, em resumo, assim como no ruindows tem as versões desktop e servidores, assim também é no linux, não é isso!, pois temos os sitemas que são mais robustos e técnicos e que são usados a nível corporativo como Debian, SUSE, Slackware, RedHAT Enterprise, etc., eu não sei se estou correto com relação a isso, mais tenho quase certeza que sim.

    • Sim, mas o Debian tem tentado novos ares indo para o Desktop, pena que para ficar bom precisamos ir para os repositórios Unstable. Se bem que o próprio Ubuntu usa este repositório para ser originado.
      Para servidores é até muito bom que os facilitadores não estejam lá, mas para desktop eles são muito úteis e necessários.

  2. bla disse:

    Discordei completamente. Instalei o Debian + Gnome 3 no notebook da minha namorada que nunca tinha mexido com Linux antes e ela saiu usando, ela teve as mesmas dificuldades de adaptação que ela teria se fosse o Ubuntu por exemplo.
    Outra coisa, facilidade de uso é se o sistema operacional reconhece sua internet e ja funciona quando inicia, ou quando monta automaticamente um dispositivo USB. Frescuras não definem facilidade de uso…
    Em consideração a vc nao conseguir instalar os seus programas: não temos culpa se uma grande parte dos pacotes do Ubuntu são criados dependendo de um pacote 1 versão acima da que vem no Debian. Por exemplo o Lightworks, o pacote dele depende do libc6 >= 2.14 e o que vem no Debian é o 2.13. Então antes de falar que foi dificil rodar programas no Debian, repense se o erro é do pessoal do Debian ou do Ubuntu…porque se vc criar um programa que dependa das versões de pacotes do Debian stable e disponibilizá-lo apenas nos repositórios do Ubuntu, isso sim vai facilitar a vida dos usuários do Debian. Então não somos nós que cometemos esse erro.
    Por fim, de fato o instalador do Debian é uma desgraça, o jeito mais fácil de instalá-lo é em linha de comando…o instalador dele dependendo da máquina dá pau.

    • Bruno(bla),

      Você tem todo o direito de discordar. Afirmar que teve as mesmas dificuldades que teria se fosse distribuição X é que não pode, afinal, a vidência ainda não é reconhecida como verdadeira.
      Facilidade de uso não é só o que você diz não, e as frescuras são deduções da sua cabeça.
      Quanto a não conseguir instalar programas, não utilizei pacotes do Ubuntu, outra dedução sua, trabalhei apenas com pacotes feitos para Debian. Faltou comentar que os pacotes que eu precisei e não consegui instalar, eu precisava obrigatoriamente de uma versão mais atual, o que o sistema disponibilizava não era o suficiente. Mas o sistema me dá opções para que eu utilize os pacotes mais atuais, e foi isso que eu fiz.

  3. Caros amigos em assunto de Linux sou filho de “Kurumin”, lembremos que o Debian é pai das distros com empacotamento .deb, é ele que da referencia para quem vem depois dele, o Debian não surgiu para ser fácil mas sim para ser estável, sua estabilidade é o que faz as outras distros caminharem, logo podemos perceber que distros inspiradas pelo Debian se mantém mais tempo poque sua estabilidade permite que uma distro seja remasterizada e empacotada por uma só pessoa já que o o ciclo do Debian é uma das maiores que existe, logo as distros inspiradas em Ubuntu já não duram tanto quanto as de Debian porque o ciclo de desenvolvimento é muito mas curto e uma simples atualizada de repositório pode por um trabalho de dias no lixo, sei porque eu mesmo na época do Big Linux remasterizei uma versão Big 64 bits e sei o trabalho que é! a falha que sempre vi no Debian não é ele não ser dificil de se usar, mas sim por ele ser um sistema “bruto” que precisa ser lapidado conforme a necessidade de seu usuário, hoje ele não é difícil de se usar, já que ele também demanda de uma “Central de Software” mas sim a demanda de tempo para fazer todas a configurações necessárias. Fiz esse teste com minha namorada, com o Ubuntu ele se virou sozinha desde a primeira instalação ja com o Debian as coisas não funcionaram do mesmo jeito. O sistema precisa ser funcional, ou seja, independente do usuário ele tem que se achar sozinho nele, Segue referencia: “Bertha Araujo ‏@BerthaAraujorf 27 out @fabiolmuller @ubunterobr É na verdade precisa ser funcional, não adianta ser uma coisa bonita e não funcionar.Desde q não trave está ótimo!”
    Portanto, tanto Debian quanto Ubuntu atendem necessidades diferentes para usuários diferenciados, cada um com sua particularidade.

  4. Kamus disse:

    Uso Debian híbrido baseado no testing e duvido que esta configuração não atenda o usuário final,estou usando o mesmo a mais de 1 ano e estou bem atendido.
    Já usei o Debian squeeze por mais de um ano na época stable e tudo funcionou muito bem no notebook.
    Esse vício de aplicativos com as + novas versões é coisa de usuário windows,é melhor ter um aplicativo com a penúltima versão + atualização de segurança do usar a última versão e cheio de bugs.
    No quesito facilidade de instalação e uso do sistema o Ubuntu e openSUSE estão na frente porém o Debian não está distante das citadas e com um diferencial de estabilidade em relação ao Ubuntu e com relação ao openSUSE o Debian tem uma comunidade bem maior no Brasil.

    • Kamus,

      O que seria este Debian híbrido?
      Dizer que algo é coisa de usuário windows é um preconceito que não leva a nada e discordo totalmente. Usar a última versão não é apenas querer, pode ser necessidade de uma funcionalidade disponível só nela.

    • bla disse:

      Concordo plenamente sobre essa mania de usuários de Windows no mundo GNU/Linux, e digo mais, uso Debian Wheezy aqui sem problemas nenhum e não me falta sequer um recurso e mesmo quando falta eu posso instalar localmente, coisa que um usuário iniciante não faria e nem precisaria.

      • Essa maneira de falar é o que faz com que muitos fiquem com o nariz torto para o Debian. Sempre olhe para os lados para ver como outras pessoas precisam usar o sistema, com certeza farão usos diferentes do seu e a sua verdade não será aceita.
        Eu digo que o Debian é um ótimo sistema para usuários de nível médio para avançado, para os iniciantes ele não atende plenamente.

  5. Daniel Alves disse:

    Esperava que você mostrasse o sistema funcionando, como ocorre nos outros videocast.

  6. Anderson disse:

    Respeito o Debian pra baralho! Me imagino um dia saindo da zona de conforto propiciada pelo (X)Ubuntu e usando o Debian; lapidando-o pra o tornar tão usavel quanto o… (X)Ubuntu! Daí volto a realidade: “pra quê sair do (X)Ubuntu então?!” ;p

    Valeu Ivan! ;)

  7. angelico disse:

    A primeira vez que instalei o Debian (culpa do Unity e da Amazon) demorei cerca de uma semana para deixá-lo do meu jeito. Hoje este tempo de instalação e configuração se reduziu a algumas horas. Aprendi muito Linux com ele. Sou um Dibianeiro de carteirinha.

  8. Ignacio disse:

    Eu particularmente acho que o Debian em si não oferece essa dificuldade de uso apontada. Mas ele basicamente possui dois sérios problemas para um uso em desks:

    1. A antiguidade gigantesca dos pacotes. Isso é muito ruim, não são só quanto a você não ter a disponibilidade do software mais recente, mas também na parte de suporte à hardware, afinal, aqui existe uma forte dependência de versões mais recentes do Linux porque os drivers são embutidos nele. Só agora em maio de 2013, com o lançamento do Wheezy, é que o Debian se tornou uma distro adequada para uso em SSDs, por exemplo.

    2. Este não é um problema específico do Debian, mas de todas as distribuições. Se você não tem pacotes compilados especificamente para a distro nos repositórios oficiais, boa sorte pra você. Se bobear, vai ter que se virar e compilar.

    Em tempo: realmente o instalador do Fedora está complicado, principalmente na parte do particionamento.

    • bla disse:

      Ignacio, o Wheezy não tem mais pacotes tão desatualizados como diz, por exemplo, ele sempre atualiza o Chromium, o OpenJDK e o Iceweasel em suas versões ESRs.
      De suporte a hardware eu concordo e discordo, o backports atualmente tem o kernel 3.10.11 e em breve terá o 3.11 :)

    • Ignacio, legal, não sabia dessa particularidade dos SSDs e o particionamento do Fedora é tenebroso.

  9. Ignacio disse:

    bla, recorrer aos backports não é um procedimento exatamente simples, e eu não botaria a minha mão no fogo por ele (e nem pelo apt-get). Eu mesmo já tive problemas para instalar pacotes a partir do backports. Além disso, tente como ver como ficam as coisas no Debian no momento em que eles voltam a fazer o congelamento dos repositórios de testes. Você não ver nada mais de novo no backports.